Saude na Internet    Desde 1998

início > Saúde da gestante > Adoçantes fazem mal à saúde?

Adoçantes fazem mal à saúde?


No início, apareceu a Sacarina, logo depois, os derivados os Ciclamatos. Foram tempos revoltos para os adoçantes, na época derivados do petróleo, quando foram acusados de aumentar a incidência de câncer na bexiga.

Até hoje os Ciclamatos são proibidos em alguns países.


Surge o Aspartame e com ele a polêmica

Os laboratórios evoluíram e surgiu então o Aspartame. Adoçando, 200 vezes mais que o açúcar branco, a princípio parecia um achado da ciência.

Entretanto, a combinação química com o álcool metílico / metanol, altamente tóxico, presente no produto, suscitaram várias interpretações.

O certo é que as quantidade de metanol e as dosagens utilizadas são realmente muito pequenas, considerando-se então que não há o risco de intoxicação.

Entretanto, muitos questionam sobre o efeito cumulativo a médio e longo prazo. O metanol é uma toxina potente e pode causar cegueira quando consumido em excesso.

O Aspartame é considerado por alguns como uma neurotoxina (mata neurônios) além de provocar câncer (carcinogênico).

O impacto na comunidade médico científica foi maior depois que a Fundação Européia de Oncologia e Ciências do Meio Ambiente B. Ramazzini, localizada em Bolonha, Itália, anunciou os resultados de um estudo que "mostram pela primeira vez que o aspartame é um agente cancerígeno".[1]

"O estudo gera novas dúvidas sobre os vínculos em potencial entre a exposição ao aspartamo e o câncer, embora confirme a ausência de ligação entre o aspartamo e tumores cerebrais", destacou a Agência Francesa de Segurança Sanitária dos Alimentos (AFSSA).

A Autoridade Européia de Segurança Alimentar, divulgou em maio de 2006 um parecer sobre o estudo realizado pela fundação italiana, considerando que os resultados não eram totalmente conclusivos, suscitando a dicotomia de fato ou mito, que envolve o Aspartame.


Ninguém se entende

A confusão parecer ser tamanha que a ANVISA, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, autoriza o uso do Aspartame em gestantes, fato que causa muita revolta em alguns médicos. Considerados inofensivos aos adultos, as gestantes jamais devem fazer uso do aspartame, porque os seus efeitos sobre o feto ainda são incertos!

Segundo o FAQ da ANVISA, o questionamento “o aspartame pode ser consumido por grávidas e crianças?” é respondido com um sonoro “Sim”.

Segundo a Agência, “o metabolismo do aspartame já foi estudado nestes grupos da população, não havendo até o presente evidências científicas de que gestantes e crianças metabolizem o aspartame diferentemente de um adulto normal.”

Esse posicionamento parece levar em consideração somente a saúde da gestante, e não a do feto.

O próprio site da ANVISA entra em contradição ao não recomendar o uso de Aspartame para os portadores de uma deficiência rara, chamada fenilcetonúria.

Essa enfermidade, que exige uma dieta rigorosa, é detectada através do teste do pezinho, após o nascimento do bebê. Então, a questão é: como saber se aquele bebê que está em gestação não será um portador dessa doença?

Os próprios fabricantes contrariam a ANVISA, desaconselhando na própria embalagem o uso do produto por gestantes.

Tanto é que a legislação brasileira obriga que os alimentos que contém aspartame tragam no rótulo a seguinte advertência em destaque e negrito: CONTÉM FENILALANINA


Fique de olho no sódio dos adoçantes

Além de toda essa polêmica que envolve o Aspartame, os adoçantes em geral apresentam uma quantidade considerável de sódio em sua composição.

Os portadores de problemas renais e cardíacos, principalmente pressão alta, precisam ficar atento à quantidade de sódio dos adoçantes.



Uso com moderação

É importante também, ficar de olho no rótulo dos produtos. Na própria embalagem vem descrito o limite diário de consumo máximo do produto.

Esse limite deve ser obedecido para evitar que o acúmulo dos resíduos tóxicos do produto possam causar danos ao organismo.

Veja o quadro de Quantidade máxima diária de consumo de adoçantes

Edulcorante - Quantidade máxima por dia
Sacarina - 5,0 mg / kg de peso
Ciclamato - 7,0 mg / kg de peso
Aspartame - 40,0 mg / kg de peso
Steviosídeo - 5,5 mg / kg de peso
Acesulfame K - 15,0 mg / kg de peso
Sucralose - 5,0 mg / kg de peso
Xilitol, Manitol, Sorbitol - 15,0 mg / kg de peso


INMETRO detecta problemas em adoçantes

Não bastasse toda essa confusão em torno do tema, o INMETRO realizou testes de laboratórios com adoçantes comercializados nas prateleiras do comércio brasileiro.

Segundo o estudo divulgado pelo INMETRO [2], “a tendência de não conformidade dos adoçantes ficou bastante evidenciada com relação à rotulagem, o que impacta na quantidade de informações que o consumidor deve ter sobre cada produto”.

Os números são surpreendentes: das 21 marcas analisadas, 33% das marcas de adoçante de mesa em pó, 50% de adoçante dietético em pó e 33% dos adoçantes dietéticos líquidos, foram consideradas “Não Conformes”.

Além disso, algumas marcas estavam com o registro no Ministério da Saúde vencido, ou seja, nem deveriam estar nas prateleiras.


Risco para os consumidores

Ainda segundo o Instituto, uma das marcas de adoçantes apresentou indevidamente glucose em sua composição, “o que é inadmissível por se tratar de adoçante dietético, recomendado para pessoas com restrição de açúcar”, afirma o estudo.

Outra marca de adoçante dietético líquido, indicou a presença de 0,9 mg/kg de cromo, nove vezes maior que o limite máximo de tolerância (LMT), estipulado na legislação brasileira.

“A ingestão excessiva de cromo pode ocasionar intoxicação no consumidor”, reforça o estudo.


Usar ou não usar

Depois de toda essa polêmica, uma coisa parece ser definitiva: ainda há muito o que se pesquisar sobre o tema, até chegarmos a uma posição definitiva.

Uma coisa é certa: gestante, procure orientação junto ao seu médico antes de consumir qualquer produto com adoçante.
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

Publicado em: 12/03/2009. Última revisão: 04/02/2018
 COLABORADORES 

Redação Saúde na Internet

 PARA SABER MAIS 
[1] Fundação Européia de Oncologia e Ciências do Meio Ambiente B. Ramazzini
http://www.ramazzini.it
[2] INMETRO
http://www.inmetro.gov.br/consumidor/produtos/adocantes.asp
Agência Nacional de Vigilância Sanitária
http://www.anvisa.gov.br/faqdinamica/asp/usuario.asp?usersecoes=28&userassunto=42
Agência Francesa de Segurança Sanitária dos Alimentos (AFSSA)
Autoridade Européia de Segurança Alimentar