Saude na Internet    Desde 1998

início > Saúde da mulher > Mulheres que ainda esperam pelos seus príncipes encantados

Mulheres que ainda esperam pelos seus príncipes encantados


Muitas mulheres, ainda hoje, aguardam pacientemente a chegada de seu príncipe encantado, um homem que tenha ideais elevados e puros.

O príncipe, em sua fantasia, vem montado em um cavalo branco exalando amor incondicional, romantismo, e compreensão. Vem desprovido de falhas e defeitos, alias, desprovido até de qualquer característica humana.

Ele vem de um outro mundo, um lugar onde surgem as fantasias inconscientes, onde tudo é perfeição pura e apenas o bem prospera.

A mulher ao achar que, encontrando a sua cara metade, sua alma gêmea, estará com seus problemas afetivos resolvidos, dá os primeiros passos para se frustar .Pois relação alguma vai resolver os seus problemas, pelo contrario, pode sim, apresentar novos obstáculos no intuito de fazer com que o casal cresça e amadureça.

Outro ponto crucial é crer que a relação é tão boa que jamais terminará. Mais uma vez prepara-se o caminho para desilusão. Pois o casamento eterno, com o encontros de almas gêmeas está mais para conto de fadas do que realidade. Casais que conseguem permanecer juntos uma vida inteira, sem que um tenha cerceado a liberdade individual do outro, podem se considerar afortunados.

É preciso aprender a ver os seus parceiros com os olhos da verdade, sem vendas, sem óculos cor de rosa, sem fantasias ou ilusões. E poder entender que o parceiro que está a sua frente é um ser humano comum, com falhas e defeitos.

As mulheres mais propensas a sofrer nas relações afetivas são aquelas que acham que encontraram seus príncipes encantados, que seus problemas se resolverão e que a relação durará a vida inteira. Muitas vezes, com o tempo, esse mesmo príncipe se transforma em sapo, e tudo aquilo que sonhou vai por água abaixo. Vem junto desilusão e um sentimento de grande frustração.

É uma grande ilusão viver em constante busca da outra cara metade. Pois quando se pensa que é necessário uma outra pessoa para se tornar inteiro, passa-se a idéia de ser apenas uma metade, algo incompleto que precisa ser preenchido.

Somos inteiros como pessoas e não dependemos do outro para que possamos encontrar a verdadeira felicidade. Se projetamos tudo aquilo que desejamos no outro e se achamos que somente ele nos fornecerá o céu , ficamos escravos e dependentes dessa situação. O outro vem para somar e acrescentar.

Não devemos projetar a nossa esperança de sermos feliz em ninguém, pois ao achar que um salvador virá , lavamos as mãos da responsabilidade de conduzir o nosso próprio destino.
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

Publicado em: 01/03/2000. Última revisão: 12/06/2018
 COLABORADORES 
Maury Braga Maury Braga é Psicólogo Clínico Graduado pela PUCRS - Porto Alegre e Licenciado em Educação Física pela UFRGS - Porto Alegre. CRP: 07/04436.
todos artigos publicados