Saude na Internet    Desde 1998

início > Saúde da família > Sintomas e diagnóstico da dengue

Sintomas e diagnóstico da dengue


( Michele Vieira )
Febre alta, dor de cabeça, nos olhos, corpo e juntas. Quando esses sintomas aparecem, surge também a dúvida: virose comum ou dengue?

Os sintomas da dengue são parecidos com o de várias outras doenças infecciosas. Por isso, é necessário realizar um exame laboratorial para tentar confirmar a enfermidade.

Outro problema surge porque o resultado positivo de um exame convencional para detectar a dengue demora de quatro a cinco dias, após o início dos sintomas.

“E é nesse tempo que o diagnóstico para o manejo clínico da situação é mais importante, pois torna-se um recurso valioso para a realização antecipada de monitoramento e terapia de suporte da doença, o que reduz o risco de complicações”, afirma o infectologista do Laboratório Sabin e presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia do DF, Alexandre Cunha.

A demora do resultado ocorre porque o exame tradicional é feito com base na detecção dos anticorpos contra o vírus no sangue, que só surgem após o 4º ou 5º dia.

O organismo leva algum tempo para começar a produzi-los. Além disso, a dengue é uma doença infecciosa aguda causada por um vírus que tem quatro sorotipos.

Segundo o infectologista, “nos exames tradicionais os anticorpos IgM não ficam positivos em uma infecção por um 2º sorotipo, justamente nos casos de maior risco de complicações.”

Considerado um avanço na luta contra a dengue, o exame Dengue Early NS1 já está disponível em muitos laboratórios.

Este é um teste de sangue que tem como diferencial a detecção de partículas do antígeno NS1 do vírus da dengue pela técnica Elisa de captura.

Segundo Dra. Lídia Abdalla, superintendente Técnica do Laboratório Sabin, essa característica do Dengue Early NS1 possibilita o diagnóstico da doença já a partir dos primeiros sintomas.

“O resultado leva apenas duas horas para ser liberado”, afirma.

Em razão de ser uma novidade no mercado, o teste Dengue Early NS1 ainda é pouco solicitado pelos especialistas.

“É necessário que o médico especifique no pedido a pesquisa do antígeno NS1, além da pesquisa de anticorpos”, elucida Alexandre Cunha.
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

Publicado em: 23/01/2012. Última revisão: 17/04/2019
 COLABORADORES 

Profissionais do Texto - Assessoria de Comunicação
todos artigos publicados