Saude na Internet    Desde 1998

início > Saúde do jovem > Pânico social

Pânico social


Caso apresentado:
"Sou uma pessoa saudável, feliz e realizada. Mas em algumas ocasiões sociais (algo que fuja da rotina), como um baile, um show ou uma viagem, não consigo me sentir à vontade. Normalmente me sinto nervosa e não consigo comer pois fico enjoada. Esse meu problema é pânico social ou pode ser um tipo de anorexia?"


Para saber realmente o que te aflige precisaríamos fazer uma avaliação mais detalhada, pois fica difícil em um breve relato como este, sabermos com precisão qual é a causa de seus conflitos.

Em relação a Anorexia Nervosa, antes de mais nada é importante saber qual é a sua idade, já que na maioria dos casos esta doença surge na pré-adolescência e em adultos jovens.

Normalmente os casos de Anorexia vêm acompanhados de uma série de sintomas emocionais, tais como sentimento de menos valia, baixa auto-estima, raiva reprimida, culpa, perfeccionismo exagerado, medo de perder o controle, medo de engordar, dificuldade em relação a sexualidade e principalmente medo inconsciente de crescer e se tornar uma mulher madura.

Concomitantemente a esses sentimentos, viriam os sintomas físicos como emagrecimento, vômitos e recusa à alimentação.

A sua pergunta fornece uma pista para que possamos descartar essa hipótese quando fala que "é uma pessoa saudável, feliz, bonita e realizada", pois quem sofre de Anorexia Nervosa não se sente saudável (está quase sempre desnutrida), não é feliz (pois sofre com essa doença), não se acha bonita (pelo contrário, acha-se feia e gorda) e não se sente realizada (pois tem dificuldade em amadurecer e saber o que quer na vida).

Em relação ao Pânico Social, volto a afirmar o que havia dito anteriormente, precisamos de uma avaliação mais detalhada.
A principal característica do Pânico Social é o medo intenso e muitas vezes descontrolado, de lugares públicos, com aglomerações de multidões, quer sejam esses lugares abertos, como uma rua movimentada, ou fechados, como um baile com muitas pessoas.

Observe se ao realizar coisas novas e que fujam a sua rotina, mas que não envolvam situações sociais, se você também fica nervosa.

Reflita há quanto tempo possui essas dificuldades, se elas estão presentes também no trabalho, em reuniões familiares, no trânsito pesado, em lojas movimentadas. Lembre-se de como você sentia-se quando criança, na sala de aula, no recreio...

É preciso que você se conheça melhor para entender de onde vem esses medos e quais são as suas causas.

Essa insegurança que você sente está bloqueando a sua espontaneidade e principalmente a sua capacidade de se sentir livre e feliz.
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

Publicado em: 13/11/2007. Última revisão: 21/03/2018
 COLABORADORES 
Maury Braga Maury Braga é Psicólogo Clínico Graduado pela PUCRS - Porto Alegre e Licenciado em Educação Física pela UFRGS - Porto Alegre. CRP: 07/04436.
todos artigos publicados