Saude na Internet    Desde 1998

início > Saúde da gestante > Odontologia Intra-Uterina: mito ou realidade?

Odontologia Intra-Uterina: mito ou realidade?


No decorrer das últimas duas décadas, a Odontologia sofreu inúmeras mudanças.

A principal delas foi a adoção de uma filosofia preventiva, com o objetivo de se alcançar uma saúde bucal perfeita.

O dentista redefiniu seus padrões de atendimento, preocupando-se, não mais, com o material a ser utilizado para restaurar um dente cariado, mas sim, em como evitar o desenvolvimento da cárie dentária.

Nesse aspecto, a prevenção é o fundamento básico da odontologia moderna.

A atuação do cirurgião-dentista passou a ser mais ampla e precoce. Com esse intuito, foram dados os primeiros passos em busca de um futuro cada vez mais saudável.

Por conseguinte, a odontologia, especificamente a odontopediatria, voltou suas atenções para a primeira infância (zero a três anos de idade), com fins a promoção de saúde.

Aqueles pais que antes só procuravam o dentista quando o seu filho tivesse quatro ou cinco anos de idade, começaram a perceber que quanto mais cedo isto ocorresse, maiores as possibilidades de, no futuro, terem uma saúde bucal perfeita.

Pacientes com idades entre seis e nove meses, tornaram-se rotineiros nos consultórios odontológicos.

Todavia, pairava no ar a seguinte questão: Por que não atuar de forma mais precoce ainda, envolvendo não apenas somente o bebê, mas a gestante?

Buscava-se atingir o ideal! A prevenção começaria in útero, sendo a futura mamãe a peça fundamental de todo esse processo. Estabelecia-se a Odontologia Intra-Uterina ou Odontologia Para Gestantes.

Tornou-se cada vez mais comum o trabalho em conjunto de odontopediatras, obstetras, neonatologistas e pediatras, com o intuito de promover a saúde global do binômio mãe/filho.

É sabido que o desenvolvimento da cavidade oral da criança inicia-se intra-uterinamente, nas primeiras semanas após a concepção.

Por esse motivo, a gestante deve ter uma dieta equilibrada (nesse período é comum as mamães terem os conhecidos “desejos”, o que em muitos casos leva a um aumento exagerado do consumo de açúcar) e uma higiene oral adequada, além de uma perfeita saúde geral.

É fato rotineiro as gestantes nos procurarem dizendo que durante a gestação “seus dentes tornaram-se mais fracos e quebradiços” e “as gengivas começaram a sangrar de forma espontânea”.

Devemos informá-las que, comumente, estes fatos são decorrentes de uma higiene bucal deficiente aliado à alimentação inadequada e que durante o período gestacional, a visita ao dentista não deve ser relegada ao segundo plano.

Em muitos casos, as gestantes deixam de ir ao consultório odontológico rotineiramente (em algumas regiões, existe a cultura popular de que a gestante não pode “tratar dos dentes”, por ser perigoso - o que, de fato, não é verdade).

Muitas vezes, os famosos “desejos” levam a um maior consumo de carboidratos e açúcar, na forma de bolos, doces, biscoitos, balas, chocolates, entre outros.

Essas guloseimas, por serem consumidas com freqüência, ocasionam a queda do pH bucal, contribuindo para a formação da placa bacteriana, e ao mesmo tempo, propiciando o ambiente adequado para o desenvolvimento de bactérias cariogênicas e, consequentemente, novas lesões de cárie.

Portanto, é muito importante para a saúde de mãe/filho a adoção de uma dieta equilibrada, contendo todos os nutrientes (vitaminas, sais minerais, cálcio, proteínas, etc) que propiciem a formação e o correto desenvolvimento do bebê.

Outro aspecto a ser destacado para a obtenção de uma saúde bucal adequada diz respeito à higiene bucal.

É de suma importância uma escovação correta, bem como a utilização do fio dental.

As pastas de dentes (cremes dentais) presentes no mercado são de excelente qualidade e contém flúor em sua composição.

Quanto à escova dentária, deve ter a cabeça pequena e as cerdas macias, permitindo a escovação de todos os dentes e, ao mesmo tempo, massageando a gengiva.

É importante que o seu dentista a oriente quanto à técnica de escovação correta e uso do fio dental. Caso sejam observadas áreas de sangramento quando da escovação, estes sinais podem ser indicativo de uma gengivite de grau leve, devendo a gestante procurar o dentista.

Com relação à realização ou não de tratamento durante a gravidez, é lícito afirmar que independente do mês, a gestante poderá receber tratamento odontológico durante qualquer período gestacional, muito embora o segundo e terceiro trimestres sejam os ideais devido à maior estabilidade.

Claro que alguns cuidados devem ser observados. Por exemplo, sendo necessário o exame radiográfico, o mesmo deve ser realizado observando as normas de proteção (uso de avental de chumbo, protetor de tireóide, etc.), e que no primeiro trimestre da gravidez não é recomendável sua execução.

Portanto, faz-se necessário o atendimento multidisciplinar, com o cirurgião-dentista (odontopediatra ou não) atuando em conjunto com o obstetra, fornecendo informações à futura mamãe.

Principalmente em relação a orientações quanto à dieta, higiene bucal, uso racional do flúor, amamentação, importância dos dentes decíduos – dentes de leite, primeira visita do bebê ao dentista, redefinindo os padrões de atendimento em um contato preventivo amplo, com vistas à promoção de saúde do binômio mãe/filho.
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

Publicado em: 05/08/2003. Última revisão: 25/08/2018
 COLABORADORES 

Dr. Alessandro Leite Cavalcanti - Mestre em Odontopediatria e
Doutor em Estomatologia. Professor da Disciplina de Odontopediatria da UFPB. Professor do Curso de Especialização ABO-PB.

todos artigos publicados