Saude na Internet    Desde 1998

início > Saúde da gestante > Mito da amamentação prolongada atrapalha o desmame e causa prejuízos para mãe e para o bebê

Mito da amamentação prolongada atrapalha o desmame e causa prejuízos para mãe e para o bebê


( Marcelo Matusiak )
O tema da amamentação é recheado de mitos e incertezas.

Um dos maiores causadores de dúvidas é saber até quando o bebê deve se alimentar do leite materno no seio da mãe.

Pressões sociais acabam atrapalhando esse processo.

Segundo a pediatra membro do Comitê de Aleitamento Materno da Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul, Silvana Salgado Nader, infelizmente esse processo acontece, muitas vezes, quando nem a mãe e nem o bebê estão prontos para o desmame.

- É importante ressaltar que não existe prejuízo para o corpo da mulher ou para a saúde do bebê se a mãe amamentar dois ou mais anos. Se o bebê recebe alimentação complementar adequada, não terá prejuízo em sua nutrição - explica.

Segundo a médica existem vários mitos sobre a amamentação chamada de "prolongada".

Um deles é de que o aleitamento materno, por mais de um ano, seria prejudicial para a criança sob o ponto de vista psicológico.

Ou ainda, de que a criança possa ficar dependente.

A recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde em relação ao tempo de aleitamento materno exclusivo é até o sexto mês de vida e sua manutenção, com complementos, até o segundo ano de vida ou mais.

O aleitamento materno traz benefícios para a mãe e para o bebê.

Estudos comprovam que o bebê amamentado apresenta um melhor desenvolvimento da inteligência, melhor desenvolvimento gastrointestinal, menos diarreia, infecção urinária, infecção respiratória e otites (infecção nos ouvidos).

A mãe que amamenta tem chance reduzida de ter câncer de mama, certos tumores de ovário, menos osteoporose na menopausa e menos fraturas ósseas.

Além disso, sabe-se que a mulher que amamenta retorna mais rápido seu peso anterior á gravidez.

O outro fator determinante é o afeto.

- O aleitamento materno permite uma melhor comunicação entre mãe e filho, favorecendo um importante vínculo no relacionamento entre os dois e auxilia a mãe a conhecer melhor as reações de seu filho - completa a pediatra.

O desmame deve ser um processo natural que faz parte da evolução da mulher como mãe e do desenvolvimento da criança, assim, deve ocorrer naturalmente.

É importante ressaltar que os alimentos complementares devem ser iniciados após os seis meses de idade, para suprir as necessidades nutricionais e aproximar gradativamente aos hábitos alimentares da família.
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

Publicado em: 23/08/2012. Última revisão: 19/04/2018
 COLABORADORES 

PlayPress Assessoria de Imprensa
todos artigos publicados


A Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Sul foi fundada em 1936.
Atualmente conta com cerca de 1.750 sócios, e se constitui em orgulho para a classe médica brasileira e, em especial, para a família pediátrica.

todos artigos publicados