Saude na Internet    Desde 1998

início > Saudável depois dos 60 anos > Dentes saudáveis na terceira idade

UniEuropa Business School

Dentes saudáveis na terceira idade


UniEuropa Business School PUBLICIDADE
“Este artigo foi baseado na Dissertação de Especialização em Saúde Coletiva, intitulada Prevenção em Odontogeriatria, apresentada em Fevereiro de 2009 no Curso de Especialização em Saúde Coletiva do Centro de Pesquisas Odontológicas São Leopoldo Mandic, Campinas, pelo Dr. Marco Tulio Pettinato Pereira, cuja dissertação foi aprovada com nota máxima”.

Nas últimas décadas, tem sido constatado um declínio nas taxas de natalidade e um aumento na expectativa de vida, com consequente crescimento da população idosa, graças ao desenvolvimento da ciência e de novas tecnologias, que tem como objetivo a melhora na qualidade de vida [28].

E quanto mais longa a vida média da população, mais importante se torna o conceito de qualidade de vida, e a saúde bucal tem um papel relevante nisso.

A situação epidemiológica em termos de saúde bucal da população idosa no Brasil pode ser classificada como bastante severa e grave, pois a ruína da dentição é cada vez mais rápida [25].

A perda da dentição influi sobre a mastigação, digestão, gustação, pronúncia, aspecto estético e predispõe a doenças geriátricas [14] e os pacientes edêntulos (com perdas totais ou parciais de dentes) apresentam condições de saúde geral mais precária, mais incapacidades físicas e maior chance de mortalidade do que em pacientes dentados [20].

As manifestações orais do envelhecimento modificam bioquimicamente o ambiente na cavidade oral, podendo contribuir para o desenvolvimento da halitose, para a produção de saburra lingual (placa bacteriana que recobre a língua) que possivelmente causa problemas sistêmicos e doenças bucais como a cárie e a doença periodontal [19].

A prevenção da doença periodontal e da cárie é alcançada pela eliminação e controle da placa bacteriana e, para prevenir estas doenças, é fundamental o desenvolvimento de uma higiene oral bem executada, através do uso de dispositivos como escova, fio dental, escova interdental, dentifrícios fluoretados e soluções para bochecho [1].

As doenças crônicas mais comuns em idosos são as respiratórias, condições coronárias avançadas, debilidade renal, doenças cardiovasculares, artrite, distúrbios emocionais ou psicológicos como ansiedade ou depressão e endócrinas como a diabetes tipo dois.

As doenças cardiovasculares e o tratamento médico dispensado a pacientes cardíacos podem levar a emergências durante o tratamento dentário. O controle constante da pressão arterial e da terapia com anticoagulantes é indispensável [1].

Em relação à artrite, recomenda-se o posicionamento e o conforto nas atividades gerais destes pacientes, além de executar as atividades com suavidade, respeitando a dor e a tolerância, e evitar atividades que envolvam apreensão forte [1] [13].

Nesse contexto, a Odontologia Geriátrica ganha importância e deve incluir não somente tratamento protético, restaurador e periodontal, mas também medidas preventivas.

Em um estudo [26] onde analisaram-se algumas atividades preventivas educacionais odontogeriátricas, foi concluído que:
a) as instruções de higiene, cuidados com dentes/próteses e a aprendizagem devem ser uma constante;
b) a sensibilização e a motivação para o aprendizado devem ser uma preocupação incessante no contexto ensinoaprendizagem;
c) a manutenção para uma modificação comportamental educacional, deve ser feita com atividades frequentes e diversificadas (verbal, demonstrativa) para que o indivíduo se sensibilize e se motive a aprender.

Além disso, no mesmo estudo afirmou-se que é importante observar:
a) o conteúdo do que se quer ensinar (informações básicas, técnicas adequadas e de fácil aprendizagem, qualidade e quantidade da informação);
b) a maneira (escrita, verbal, explicativa, audiovisual, adequação de linguagem, demonstração prática);
c) frequência (deve-se observar a motivação e interesse de cada um, sem sobrecarregar); d) público alvo (diversidades culturais, sociais e econômicas, limitações físicas para o desenvolvimento de atividades).

É fundamental a utilização de meios corretos de higienização e também a realização da motivação, pois embora com idades avançadas, indivíduos motivados têm capacidade de aprender, necessitando apenas de incentivo e orientação [11].

Baseado na literatura consultada, parece lícito chegar às seguintes conclusões:
- Os governantes, seja no âmbito municipal, estadual ou federal, de forma conjunta como ideal ou mesmo individualmente, devem criar políticas de prevenção e tratamento voltadas à terceira idade com a maior brevidade possível;
- Faculdades de Odontologia (graduação) e cursos de pós-graduação devem começar a formar profissionais, especialistas e professores com conhecimento dirigido à Odontogeriatria;
- Tais profissionais, além da parte técnica envolvida devem buscar analisar os aspectos biopsicossociais no atendimento ao paciente idoso, para direcionar uma atenção voltada às suas necessidades mais amplas;
- Um programa preventivo bucal eficiente é aquele individualizado para determinado paciente e que conte com o apoio de seus familiares e cuidadores devidamente treinados e informados para proporcionar uma promoção de saúde com o intuito de melhorar a qualidade de vida destes idosos mais debilitados físicamente.


UniEuropa Business School

Publicado em: 30/05/2009. Última revisão: 15/12/2018
 COLABORADORES 
Dr. Marco Tulio Pettinato Pereira Dr. Marco Tulio Pettinato Pereira é Cirurgião-Dentista Especialista em Saúde Coletiva (SLMandic), Saúde Pública (UNAERP) e Saúde da Família (UCAM)
todos artigos publicados

Dr. Fernando Luiz Brunetti Montenegro Dr. Fernando Luiz Brunetti Montenegro é Mestre e Doutor (FOUSP), Prof. Adjunto na UnG, Coordenador Saúde Bucal CEDPES e Casa Ondina Lobo.
todos artigos publicados


Dra. Flávia Martão Flório é Mestre e Doutora (FOP/UNICAMP), Profa. Fac. Uniararas e Especialista em Saúde Coletiva (SLMandic).
todos artigos publicados

 PARA SABER MAIS 
[1]. Barbosa AF, Barbosa AB. Odontologia geriátrica: perspectivas atuais. JBC j bras clin odontol integr 2002 maio-jun; 6(33):231-4.
[11]. Melo NSFO, Seto EPS, Germann ER. Medidas de higiene oral empregadas por pacientes da terceira idade.
[13]. Montandon AAB, Rosell FL. Odontogeriatria: reaprendendo o atender e o cuidar. In: Sá JLM , Panhoca I, Pacheco JL. Na intimidade da velhice. Holambra: Editora Setembro, 2006. p. 111-122.
[19]. Rios LR. Distúrbios bucais na terceira idade [monografia]. Campinas: Centro de Pesquisas Odontológicas São Leopoldo Mandic; 2006.
[20]. Santos DH . A odontogeriatria no contexto da saúde pública [monografi
[25]. Silva EMM, Gallo AKG, Santos DM , Barão VAR, Júnior ACF. Enfermidades do paciente idoso. Pesq Bras Odontoped Clin Integr 2007 jan-abr; 7(1):83-88.
[26]. Silva SRC, Fernandes AC. Autopercepção das condições de saúde bucal por idosos. Rev Saúde Pública 2001 ago; 35(4): 349-55.
[28]. Souza VMS , Pagani C, Jorge ALC. Odontogeriatria: sugest&a