Saude na Internet    Desde 1998

início > Saúde do homem > Amor submisso e Amor dominante

Amor submisso e Amor dominante


Quando nascemos, somos “arrancados” do ventre de nossa mãe, e colocados no mundo de forma agressiva.

Este “separação” a que somos expostos, nos leva a buscar a convivência com outros seres humanos para nos complementarmos como seres humanos.

A necessidade que temos em nos relacionarmos com outros seres humanos, está por trás de toda a gama de relações humanas íntimas, de todas as paixões chamadas amor no sentido mais amplo do vocabulário segundo Erich Fromm (sociólogo e psicanalista.).

Segundo ele, o ser humano busca sentir-se uno com o mundo e desta forma pode fazer isso de duas maneiras: através do poder e através da submissão.

A necessidade de transcendermos à separação de nossa existência individual, buscamos através da submissão a uma outra pessoa, a uma instituição, ou a Deus, experimentando a sensação de “identidade” através da união com um outro.

Por outro lado, buscamos também esta mesma transcendência através do “poder”, ou seja, buscamos superar a separação através de uma união com o mundo que nos dê poder sobre ele.

Tornando a outra pessoa, parte de si, trazendo-o pra dentro e tomando o poder sobre o outro, transcendendo a existência individual pela dominação.

Nas duas formas, há uma relação doentia, simbiótica, na qual as duas pessoas perderam sua integridade e sua liberdade.

Há um sofrimento nesta relação, pois uma pessoa vive para a outra, ou vive "da" outra.

Assim, satisfaz-se a necessidade de intimidade, porém, limita-se a confiança própria e força interior de cada um dos envolvidos.

Para se viver plenamente, é preciso ter liberdade e independência.

Numa relação, o amor prevalece como propulsor de desenvolvimento cada uma das duas individualidades.

Em qualquer uma das duas alternativas simbióticas, a pessoa torna-se dependente da outra.

Ao invés do desenvolvimento pessoal, há uma estagnação, pois a pessoa depende daqueles a que se submete, ou daquele a quem domina.

A dependência tem muitas faces. Nela está sempre escondido um medo da vida, de si mesmo, uma incapacidade de viver sua própria individualidade, mesmo quando num relacionamento a dois.

O ciúme patológico, também muitas vezes pode ser uma forma de dependência.

Somente um caminho satisfaz a necessidade que todo ser humano tem de unir-se ao mundo.

Viver o amor, é unir-se com alguém, de forma que esta relação mantenha e até propulsione o desenvolvimento da integridade e da liberdade individual de cada um.

Numa relação assim, não há necessidade de eu viver em função de “inflar” a imagem de outra pessoa, ou a minha.

Uma relação como esta me permite viver e compartilhar um amor que me transcende, mas que também me permite vivenciar a força ativa que é o ato de amar.


Numa relação, o que importa é a qualidade particular do amor; desapegado, independente, com liberdade, que não significa vivermos num desapego total, ou um "amor livre", mas com esta liberdade e desapegos internos em cada um de nós.

Portanto, viver o amor de forma saudável, significa não só criar um compromisso entre ambas as partes, mas também (e principalmente), consigo mesmo.
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

Publicado em: 08/06/2010. Última revisão: 09/05/2018
 COLABORADORES 
Roberto Dantas Roberto Dantas é psicanalista e psicólogo em São Paulo. Realiza atendimento online e off line.
Contatos: Whatsapp: 11-9-8330-3302 – E-mail: psi.robertodantas@gmail.com – site: www.robertodantas.com.br.

todos artigos publicados