Saude na Internet    Desde 1998

início > Saúde da mulher > Tratamento à base de Luz Solar promete controlar a Caspa

Tratamento à base de Luz Solar promete controlar a Caspa


A Caspa é a manifestação visível de que alguma coisa não vai bem com o couro cabeludo.

A doença, que não é contagiosa, ocorre em ambos os sexos, é agravada pela baixa frequência de lavagem dos cabelos, e pode piorar com banho quente, transpiração, estresse, infecções, fadiga, e alimentação gordurosa, que ajudam no desenvolvimento de microorganismos como bactérias e fungos.

Um péssimo hábito das pessoas que tem caspas é achar que o problema é fácil de ser curado, ou que qualquer produto usado por um colega pode ter o mesmo efeito para ele. Um engano para quem pensa dessa forma.

A caspa, quando em casos mais graves, pode estimular a queda de cabelo e causar, até mesmo, a alopecia androgênica, ou seja, a calvície.

E é justamente com esse tipo de pensamento, que os pacientes investem na automedicação.

Atualmente, por exemplo, existe uma quantidade enorme de xampus que prometem verdadeiros milagres contra a caspa, iludindo consumidores.

Por isso, os especialistas advertem pra não se deixar levar por propagandas enganosas.

Qualquer fabricante que diz acabar definitivamente com a caspa pode não cumprir essa promessa.

Segundo a Geriatra Dermatológica, Doutora Izilda Peres Penteado, da Biobella Cosméticos, isso depende da gravidade de cada caso.

“Há uma série de medidas que devem ser tomadas. A caspa é uma doença controlável, mas raramente tem cura. Os produtos oferecem apenas um controle dos sintomas. O ideal é procurar um dermatologista para fazer uma avaliação, e só usar xampu, ou tratamentos a base de extrato de Juniperus, Piritionato de Zinco, ou Cortiesteroides recomendados por um profissional”.

Outras opções de tratamento que também podem piorar a caspa são as famosas receitas caseiras. Polpa de babosa, folha de louro, sal, limão, vinagre de maçã entre outros recursos podem somente causar irritações e não representam a solução do problema.

“O limão, em particular, pode provocar manchas e queimaduras no couro cabeludo, quando usado pelo paciente com caspa, que se expõe ao sol, já que a fruta é um foto sensibilizante”, diz A chave no sucesso para eliminar a caspa é conseguir regular a produção do óleo no couro cabeludo.

Cada caso é um caso, por isso cada procedimento vai depender da evolução da doença em cada paciente.

Um dos métodos recomendados pela Doutora Izilda Peres Penteado é a Actinoterapia.

O tratamento é realizado através de lâmpadas específicas que tratam os fios à base de luz solar, pois age diretamente nas glândulas sebáceas, diminuindo a oleosidade excessiva dos fios. Sua ação é dermoabrasiva, ou seja, faz uma espécie de peeling, que limpa e esfolia, removendo células mortas e o excesso de gordura no couro cabeludo.

Segundo a especialista, “as sessões melhoram a irrigação sanguínea, fortalecendo os fios que estão nascendo, já que retira a gordura que impede o crescimento de novos fios. Além de ajudar a liberar um número maior de endorfina, dando uma sensação de bem-estar ao paciente. A liberação desse hormônio diminui o stress, um dos agentes causadores da queda de cabelo”, explica.
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

Publicado em: 02/11/2009. Última revisão: 04/06/2018
 COLABORADORES 

Patrícia Marques Assessora de Imprensa
(21) 9792-4390 (21) 2509-3663 R: 215 (Rádio Manchete a partir das 12h)

todos artigos publicados

Dra. Izilda Peres Penteado Dra. Izilda Peres Penteado é Pós-graduada em Geriatria e Gerontologia pela PUC-RS e formada pela Faculdade de Ciências Médicas de Santos. Destacam-se em seu currículo, a participação no estágio em Cirurgia Plástica e Medicina Estética em Milão, Itália; dos Cursos de Peeling Químico em Paris, França; de Implantes e Enxertos Faciais e de Implantes Capilares, ambos em Barcelona- Espanha.
Além disso, a Doutora Izilda foi assistente do Doutor Waltênio Vasconcelos, no Hospital das Clínicas de São Paulo e Assistente na Clínica Particular Dr. Vasconcelos.
Já na Clínica Ivo Pitanguy foi consultora pelo período de quatro anos, e desde 1998 participa do projeto Médicos Solidários.

todos artigos publicados