Saude na Internet    Desde 1998

início > Saúde da família > Filhos grudados em pais carentes

Filhos grudados em pais carentes


Caso apresentado:
"Meu filho caçula de 2 anos é muito grudado em mim. Gostaria de saber se existe algum floral que possa ajudá-lo a não sofrer tanto com minha ausência quando for para a escola, pois pretendo colocá-lo na escola o ano que vem."

Primeiramente precisamos analisar o motivo pelo qual seu filho tem dificuldade de separar de você.
Muitas vezes, as crianças são sensíveis aos próprios sentimentos não expressos dos pais ou familiares. Pais com dificuldade de aceitarem a separação do filho, normalmente transmitem a eles sua própria insegurança.

Faça uma reflexão a fim de verificar se você tem dificuldades em lidar com a separação de seu filho ou se costuma ficar muito preocupada e ansiosa em relação a ele.

Quando os pais mostram segurança nos momentos de separação, sem sentimentos de pena ou culpa, acabam por transmitir aos seus filhos essa mesma tranqüilidade.

Se ele está muito grudado em você é porque tem medo de perdê-la, por isso a necessidade de se manter sempre atento aos seus passos e de não perde-la de vista, pois teme ser abandonado.

Não se esqueça que nesta idade as crianças são espelhos quase que fiéis de seus pais. Ofereça segurança, apoio, liberdade, amor e limites saudáveis, que as crianças absorverão com facilidade esses valores e se tornarão mais confiantes frente ao mundo.

Uma questão fica em aberto.
Seu filho tem (ou teve no passado) algum motivo para sentir medo de sua ausência que o possa estar influenciando hoje?
Esse medo é real e concreto?

Ofereça a ele novas oportunidades de socialização, onde possa interagir com outras crianças ou mesmo adultos. Estimule desde cedo uma maior independência, para que no futuro possa crescer e ser um adulto mais autônomo e seguro emocionalmente.

Quanto aos florais para essas dificuldades, o ideal é que busque um profissional qualificado com especialização em terapia floral para que possa acompanhar o caso mais de perto.

É difícil fazer um diagnóstico mais preciso da situação sem conversar diretamente com os pais da criança ou mesmo avaliá-la pessoalmente.
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

Publicado em: 15/11/2007. Última revisão: 26/09/2018
 COLABORADORES 
Maury Braga Maury Braga é Psicólogo Clínico Graduado pela PUCRS - Porto Alegre e Licenciado em Educação Física pela UFRGS - Porto Alegre. CRP: 07/04436.
todos artigos publicados