Saude na Internet    Desde 1998

início > Saúde da família > Desastres ambientais

Desastres ambientais


Há quem diga que a Terra está no seu limite para ter condições de poder se recuperar frente a tantas agressões causadas pelo homem.

É como se estivesse na UTI. Um pouquinho de desatenção dos médicos e enfermeiros, que neste caso é a população humana, e começa a falência do organismo como um todo.

De fato o momento é crítico. O ambiente não tem fronteiras, não tem partido político, não tem raça, cor, ideologia ou economia. Ele pertence a todos, e todos pertencem a ele. Não há desenvolvimento de sociedades, saúde ou até mesmo a existência humana sem a natureza. No entanto, não é o que temos visto diariamente nos noticiários mundiais e regionais.

O Brasil acaba de presenciar uma grande agressão ao ambiente provocada pelo vazamento de óleo no rio Iguaçu, pouco tempo depois de ocorrer outro desastre no Rio de Janeiro. Falta de estrutura, falha nos equipamentos, fiscalização, mão-de-obra desqualificada? Talvez a real causa esteja um pouco mais além. Talvez seja um conjunto de fatores que podem ser reunidos numa palavra apenas: educação.

Quando se atinge níveis altos de educação num país, se adquire um nível também alto e uniforme de consciência. Essa consciência extrapola a esfera pessoal e até mesmo do coletivo chegando no ambiente, onde se encontra esse coletivo. Afinal, tudo está interligado. É na conscientização que percebemos que qualquer possibilidade de causarmos um dano ao ambiente, este será para o coletivo e, inevitavelmente, para o próprio ser que causou o dano. Tal qual um bumerangue. Assim, ao atingirmos um nível alto de consciência, não precisaremos ser fiscalizados e muito menos punidos. Para que “agredir-se”, não é?

Por enquanto, ainda estamos longe dessa consciência coletiva com os madeireiros asiáticos devastando paulatinamente nossa floresta amazônica, dos barcos pesqueiros que realizam pesca de arrasto no fundo do mar, do tráfico clandestino de animais e vegetais para fora do país, das indústrias que lançam seus efluentes no ambiente sem qualquer tratamento e permitindo ainda colocarem seus produtos e embalagens no mercado sem ser possível sua fácil reciclagem, como as embalagens longa-vida.

No entanto, um esforço mundial tem sido movido em grande intensidade para tentar amenizar a situação. Novas leis, proposta de certificação de qualidade ambiental (produtos e processos) (ISO 14.000) para as empresas, acordos internacionais de cooperação ambiental e uso de embargo comercial por processos extrativistas pouco ecológicos. Tudo para se poder caminhar na direção do que se fala ultimamente (ECO-92, Agenda 21, etc.) como “desenvolvimento sustentável” das nações.

Ao mesmo tempo, enquanto os governos não entenderem que a Terra está não apenas com “espirros”, mas sim em situação muito delicada e que precisa de ação maciça neste momento da fiscalização de órgãos como o IBAMA, da especial atenção da Procuradoria da República, da ação enérgica dos juízes e também de um investimento muito grande em Educação Ambiental, tanto nas escolas como para a população em geral, encontraremos surpresas a cada dia como desastres ecológicos e disparates judiciais.

Façamos força para o Brasil tornar-se maduro e consciente logo, deixando a expressão “país do futuro” no passado.

Encontrar situações como a do “cidadão pobre é preso por danificar casca de árvore em Brasília para fazer chá para a mulher doente” enquanto “Petrobrás paga milhões em multa por dano ambiental”, é dose pra leão. Quer dizer, o dinheiro do contribuinte, sendo a Petrobrás ainda estatal, apenas muda de departamento dentro do governo. O dano fica.

Mas fica também a pergunta Coram Populo (diante do povo), aos cidadãos: o que acontecerá ao responsável que deveria ter aberto a válvula, e não o fez, provocando o vazamento em Araucárias no Paraná? Conscientia Sceleris (consciência do crime) para a Petrobrás e funcionário?
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

Publicado em: 01/08/2000. Última revisão: 05/06/2018
 COLABORADORES 
Rodrigo Beheregaray Rodrigo Beheregaray - Biólogo Mestre em Biociências PUCRS; fundador do Museu Oceanográfico do Vale do Itajaí (MOVI) na Univ. do Vale do Itajaí (UNIVALI); pesquisador na área de zoologia, atualmente em biologia de peixes; membro da Biopampa Consultoria Ambiental Ltda.
todos artigos publicados