Saude na Internet    Desde 1998

início > Saúde da mulher > Sintomas da menopausa

Sintomas da menopausa


O vocabulário da saúde feminina está repleto de palavras e siglas complicadas como TPM, anorexia, displasia, climatério, etc.

Outras são aparentemente simples, mas estão envoltas numa aura de mistério como gravidez, celulite, envelhecimento.

Em comum, todas estas questões afligem, angustiam e causam dúvidas nem sempre fáceis de resolver.

Muitas vezes estas palavras criam um rótulo ou um mito, que nos aprisiona e nos submete, pelo medo que naturalmente temos do que é desconhecido.

Mas afinal, o que é menopausa?

Se você é como a maioria das mulheres de hoje em dia, esta palavra pode deixá-la apavorada, sem saber o que esperar.

Associamos os sintomas da menopausa a idéia de ondas de calor e outros sintomas debilitantes, como se fossemos perder o viço e a feminilidade pelo simples fato de não mais precisarmos menstruar.

A menopausa é uma despedida de determinados aspectos femininos que nos definiam como "mocinhas" mas não a perda da nossa feminilidade. Na verdade, acontece um aprimoramento desta qualidade.

Os aspectos negativos da menopausa são exaltados, enquanto os aspectos positivos são quase ignorados.

Em sociedades como a nossa, onde se valoriza demais a juventude e a fertilidade, a mulher passa a se sentir vazia e improdutiva, por isso a menopausa passa a representar o medo de envelhecer e a sensação de inutilidade.

Como médica envolvida neste processo de saúde da mulher há quinze anos, percebo que a associação do medo com a falta de informação acabam causando muita insegurança e confusão.

Precisamos aprender a filtrar, através do bom senso, o conjunto de informações preconceituosas que chegam a todas nós a respeito da menopausa.

Esses preconceitos geram uma atitude negativa da classe médica e da sociedade, que vão se arraigando em muitas de nós e podem levar a ansiedade desnecessária.

Considerar que as mulheres deveriam se tornar dependentes de tratamento para corrigir uma síndrome de deficiência hormonal é violar a natureza feminina e menosprezar um rito de passagem.

Menopausa é apenas uma definição de um período da vida da mulher e jamais um compromisso com a doença ou com o sofrimento.

Quando pensamos em saúde, pensamos em equilíbrio mente/corpo/espírito.

Os sintomas da menopausa são a linguagem que o corpo se utiliza para expressar algum desequilíbrio, mas se prestarmos atenção, poderemos perceber os principais sintomas da menopausa como sinais de uma mudança.

Quanto mais você compreender o sentido desta mudança, mais preparada e confiante estará para escolher os recursos disponíveis e tornar este período o mais suave possível.

O corpo feminino, em perfeita sintonia com o tempo e com os ritmos biológicos, se encarrega de fazer todas estas transformações de maneira suave.

Se você se submeteu a cirurgia para retirada do útero (histerectomia), e principalmente se houve a retirada dos ovários, pode sentir a menopausa de maneira mais brusca.

A sensação que fica é a de um elevador, preso entre dois andares, respondendo de maneira inadequada aos estímulos hormonais.

A menopausa natural ocorre por volta dos 50 anos, mas fatores como o stress, a depressão, a exposição a certos produtos tóxicos como cigarros e álcool podem antecipar a chegada da menopausa.

Os desconfortos da menopausa são causados pelos esforços que o organismo faz para se adaptar às oscilações dos níveis hormonais que, muitas vezes, são fortemente acentuados por nosso estilo de vida e pelo que comemos, ou que deixamos de comer.

Um tratamento dietético muito eficaz para a maioria dos sintomas da menopausa é a soja.

A soja é rica em fitoestrogênios, substância presente em outros vegetais, com ação igual ao estrogênio.

Uma xícara de feijão de soja fornece aproximadamente 300 mg do fitoestrogênios isoflavona, que equivale à cerca de 0,45 mg de estrogênio conjugado (Premarim).

Enquanto a terapia hormonal pode aumentar o risco de câncer de mama e útero, o consumo de alimentos derivados da soja está associado a uma redução deste risco.

Talvez a forma mais interessante seja observar o porque da mulher americana ter cinco vezes mais chances que a japonesa de desenvolver câncer de mama.

Os fatores genéticos são os responsáveis? Parece que não, pois quando as japonesas se mudam para os Estados Unidos e adotam os hábitos alimentares americanos, seu risco de ter câncer de mama se iguala ao da americana.

Em suma, a intensidade dos distúrbios da menopausa e a incidência para o câncer parecem estar ligadas, essencialmente, às deficiências nutricionais, e não necessariamente às oscilações dos níveis de hormônios e ao envelhecimento.

Os fitohormônios, o boro e os ácidos graxos essenciais estão na linha de frente de diversas pesquisas científicas quanto ao seu emprego para promover a saúde da mulher nesta fase tão interessante da nossa vida.

Eles diminuem o fluxo menstrual irregular que antecede a menopausa, fortalecem os ossos, ajudam na proteção cardiovascular e contribuem para manter a saúde e a elasticidade da pele.

O boro é um mineral necessário para o metabolismo do cálcio, e para manter a agilidade física e mental.

Duas maçãs grandes, uma xícara de brócolis ou uma mão cheia de frutas e sementes secas (nozes, amêndoas, etc.) fornecem um a três mg de boro. Para uma melhor prevenção da osteoporose, além do cálcio que tradicionalmente se recomenda, o boro deve ser incluído na dieta.

Muitos medicamentos à base de plantas demonstram possuir ação benéfica sobre o sistema hormonal feminino.

Estes fitohormônios atuam em quase todos os sintomas da menopausa, melhorando as ondas de calor, as irregularidades menstruais, cólicas, dores mamárias, TPM, reduzem o colesterol elevado, previnem a osteoporose e retardam a evolução da doença de Alzheimer.

Algumas destas plantas como Dong Quai, Cimicifuga racemosa (Black cohosh), Dioscorea villosa (Wild Yam), anis (erva doce), Serenoa repens (Saw Palmetto), Vitex agnus-castus entre outras, são a grande promessa da medicina natural.

A terapêutica homeopática é um tratamento seguro e natural antes, durante e depois da menopausa.

Para o homeopata, a menopausa é apenas um importante estágio no amadurecimento da mulher, um momento de aprendizado.

O remédio homeopático Folliculinum é uma das grandes opções e trás benefícios gerais para a mulher no período da menopausa.

Age estimulando a produção de estrogênios endógenos naturais, pelos ovários e glândulas supra-renais, além de atuar no metabolismo destes hormônios pelo fígado e rins.

A substância é feita a partir de folículos de ovários, rica no hormônio estrona, reduzindo os sintomas da menopausa.
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

Publicado em: 06/11/2007. Última revisão: 31/03/2018
 COLABORADORES 

Dra. Maria Helena Bastos - médica, especialista em Ginecologia e Obstetrícia, membro do Colégio Brasileiro de Cirurgiões e Homeopatas da Sociedade Médica Homeopática da Bahia. Desenvolve um trabalho de saúde integral, priorizando o tratamento alternativo para a saúde da mulher
todos artigos publicados