Saude na Internet    Desde 1998

início > Saúde da família > Vida saudável, observando a natureza

Vida saudável, observando a natureza


Atualmente é cada vez menor o número de pessoas que vivem em casas e que podem desfrutar de um jardim, de uma pequena horta, do contato com a natureza.

Normalmente crianças que vivem em apartamentos sentem muito medo de animais, tais como lagartixas, sapos, minhocas e outros.
Sentem medo porque não conhecem esses seres vivos e sentem repulsa porque os adultos transmitem, muitas vezes, a idéia errada de que eles são bichos sujos, nojentos e perigosos.

Esta noção equivocada leva adultos e crianças a querer eliminar esses organismos. O fato é que todos os seres vivos contribuem para a manutenção do equilíbrio do meio ambiente uma vez que integram a diversidade de espécies e, alguns, são um importante elo na cadeia alimentar.

Alguns, direta ou indiretamente, colaboram com o bem estar do próprio homem. Os sapos e as lagartixas, por exemplo, alimentam-se de insetos como moscas e baratas, controlando naturalmente a sua população. Se os sapos e lagartixas fossem eliminados, seria extremamente difícil controlar o crescimento da população desses insetos e isso causaria inúmeros problemas para a saúde do homem.

Não podemos dizer que não gostamos de algo que não conhecemos. Somente quando conhecemos o que nos cerca, adquirimos respeito e percebemos a sua importância.

É muito comum ouvirmos alguns pais falarem: saia daí não mexa nesse bicho nojento, ele vai te morder. Ao contrário disso, os pais deveriam aguçar a curiosidade dos filhos e permitir que conheçam a natureza e os seres vivos que, como nós, dela fazem parte.

É importante lembrar que nenhum animal ataca sem antes se sentir ameaçado. É claro que não se deve tocar em qualquer bichinho de um jardim, mas simplesmente deixar que a criança observe e aprenda a respeitar todas as formas de vida.

A vida das pessoas que se interessam pela natureza é muito mais rica. A ida de casa para a escola pode se tornar muito mais interessante se uma criança começar a observar as árvores, como elas mudam de acordo com as estações do ano, ficando floridas ou perdendo as suas folhas.

A pessoa que é integrada com a natureza normalmente é mais tranqüila, pois quando ela observa um por de sol ou a beleza de uma flor, automaticamente se despe dos seus problemas e das influências negativas da cidade, o barulho, a correria do dia a dia etc...

Esses momentos são revitalizadores e quanto mais fizermos isso melhor será a nossa vida. Uma pessoa que sabe observar e respeitar o mundo que a cerca também é levada a olhar para dentro de si, e quanto mais nos conhecemos mais nos aperfeiçoamos, tornando melhor a nossa vida e os nossos relacionamentos pessoais.

A vida é extremamente sábia, nos deu audição, visão, tato, olfato, paladar, tudo o que é preciso para que pudéssemos nos integrar com o meio ambiente. Esta integração significa saúde, física e mental. Por isso, não podemos retirar isso das crianças, impedi-las de interagir com a natureza, de se sentir em equilíbrio com a vida, de se tornarem adultos mais saudáveis.

É essa integração, que começa no simples ato de observar, respeitar e amar, que depende a preservação da vida no Planeta Terra.

As crianças são o maior componente desta luta e é exatamente por isso que devemos incentivá-las a conhecer a natureza, aproveitando a chance para, junto delas, perder os nossos próprios medos tornando-nos pessoas mais saudáveis e em equilíbrio com a vida.
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

Publicado em: 01/09/1999. Última revisão: 06/03/2017
 COLABORADORES 
Mardiore Pinheiro Mardiore Pinheiro é Bióloga graduada pela PUCRS - Porto Alegre e mestre em Botânica na UFRGS - Porto Alegre.
todos artigos publicados