Saude na Internet    Desde 1998

início > Saúde do jovem > Doenças aumentam de incidência no Carnaval

Doenças aumentam de incidência no Carnaval


A poucos dias para o Carnaval, profissionais da área de saúde alertam os foliões a se prevenirem de doenças que têm maior incidência nesse período, em função do contato com muitas pessoas desconhecidas.

Entre as mais comuns estão as viroses respiratórias e conjuntivites, além das que exigem mais atenção como as DSTs, hepatite, HPV e mononucleose - conhecida popularmente como a doença do beijo.

Estas últimas, de acordo com a oncologista Márcia Amaral, são as mais perigosas já que podem levar, nos casos mais graves, a uma meningite e um câncer de boca.

Márcia Amaral, que compõe o corpo clínico do Centro de Hematologia e Oncologia - Cehon, em Salvador, explica que apesar de ser raro o HPV tornar-se câncer de lábio, na parte interna da boca ou garganta e a mononucleose gerar uma hepatite ou uma meningite, a população deve saber que corre esse risco.

“Não dá para confiar em quem se aproxima de você, principalmente porque uma doença nem sempre é aparente e você não está imune. Então, qualquer pessoa deve se precaver tanto na busca por vacinas quanto escolher bem com quem vai se relacionar. E se possível evitar a relação oral, quando aumenta muito o risco”, recomenda a oncologista.


Causas e sintomas


Se a pessoa contrair herpes (HPV) poderá ou não aparecer bolhas com líquido nos lábios, e uma vez contraído o vírus, este ficará para o resto da vida no organismo, aflorando sempre quando a imunidade baixar.

“Caso o herpes se transforme em câncer, o principal sintoma são as feridas que não cicatrizam em uma semana, além de ulcerações superficiais indolores (podendo sangrar ou não) e manchas esbranquiçadas ou avermelhadas nos lábios ou na mucosa bucal. Dificuldade para falar, mastigar e engolir, e também emagrecimento acentuado, dor e presença de caroço no pescoço, quando a doença já estiver em estágio avançado”, aponta a médica.

Já com a doença do beijo (mononucleose), Márcia Amaral comenta que os sintomas podem às vezes ser confundidos com o de uma gripe comum, quando a pessoa sente febre, cansaço, dor de garganta e ínguas na região do pescoço.

Com a hepatite, a doença pode ser transmitida quando a boca estiver com algum machucado e os sintomas no geral são febre e enjôos.

“Quem estiver vacinado não precisa se preocupar pois estará livre dessa doença”, ratifica Márcia Amaral.
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

Publicado em: 13/02/2012. Última revisão: 10/02/2018
 COLABORADORES 

Assessoria de imprensa da Cehon
todos artigos publicados