Saude na Internet    Desde 1998

início > Saúde da gestante > Criança que chupa o dedo

Criança que chupa o dedo


Chupar o dedo (sucção do dedo polegar e de outros dedos) além de chupetas e mamadeira, são os hábitos mais frequentes entre as crianças, e são estes que causam as maiores deformações no desenvolvimento dos dentes e da maxila; sendo a sucção do polegar o mais prejudicial.

O hábito da chupar os dedos nada mais é que um reflexo, estímulo aprendido que traz um certo prazer e/ou satisfação.

Algumas crianças apresentam predisposições para estes hábitos ou imitam seus pais ou parentes.

Crianças com problemas psicológicos ou de ajustamento, apresentam estes hábitos como \"forma de escape\" ou \"forma de chamar atenção\", e com este mau hábito prolongado, poderá causar deformações na sua arcada dentária e na maxila (como já é sabido), causando uma má-oclusão.

O hábito de chupar os dedos está intimamente ligado à amamentação no seio materno que provoca grande satisfação, e tem efeito tranquilizante.

Durante o aleitamento materno, a língua e o lábio inferior se encontram em contato constante.

Porém, quando a criança é alimentada com mamadeira convencional, esta cobre a parte superior da língua, evitando que se aproxime do palato.

A abertura maior do bico faz com que a criança não tenha o estímulo de sucção e deglutição, o leite é simplesmente jogado diretamente na garganta fazendo com que a criança não exercite qualquer músculo.

O contrário ocorre com o leite materno, pois a criança necessita de intervalos entre a sucção do leite e a sua deglutição.

Isso leva em média de 50 a 60 minutos para satisfazer a criança por completo, deixando-a cansada.

Pela energia gasta na sucção, a musculatura oral fica cansada e a necessidade oral satisfeita.

Essa criança provavelmente dormirá, em vez de permanecer acordada sugando o polegar, como aquela que teve sua amamentação feita sem nenhum tipo de satisfação muscular.

A causa da sucção do dedo pode ser decorrente da ansiedade, necessidade de carinho, ciúmes, problemas ambientais, podendo esta satisfação ser nociva à criança.

No momento que há o desmame, a criança suprirá esta necessidade colocando o dedo na boca.

Aos 3 anos de idade, toda criança demonstra tendência à sucção do polegar (época do desmame). O processo do desmame deve ser de forma gradativa e cuidadosa, pois a criança procurará algo que substitua o calor e o amor materno.

Após os 4 anos, se o mau hábito se perpetuar, poderá aparecer alguma alterações, tais como: respiração bucal, musculatura labial superior e inferior hipotônica, calo ósseo na região do polegar, etc.

Tratamento

A criança deve ser compreendida, e não ridicularizada e menosprezada.

Deve-se tentar conhecer a criança e descobrir quais os motivos que levaram à sucção dos dedos.

O desejo de mudar deve partir da criança. Essa mudança pode ser conseguida através de fotografias, slides, modelos e gravuras que mostrem as consequências do mau hábito.

Deve-se procurar onde está a causa do hábito, pois se for de origem psicológica deve ser procurado um trabalho junto ao psicólogo.

Não é raro os casos que os pais realizem uma simples mudança de atitude para que seu filho mude o hábito.

Antes de correr para qualquer tipo de aparelhagem, é importante que forcemos a criança ao máximo para que ela mesma deixe o hábito sem nenhuma ajuda externa(aparelhos).

Após 4 anos, se não houver resultados positivos. O tratamento apresentará dois caminhos:

- instalação de um aparelho ortodôntico, que servirá como lembrete;
- indicação de um trabalho conjugado com o psicólogo.
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

Publicado em: 18/12/2012. Última revisão: 16/05/2017
 COLABORADORES 

Fonoaudiólogo Waldimiro Lacerda de Souza Neto
todos artigos publicados

 PARA SABER MAIS 
CHACONAS, S. J. Ortodontia. São Paulo. Liv. Ed. Santos, 1987.
GALVÃO, A. Ortodontia: noções fundamentais. 2 ed. São Paulo. Liv. Ed. Santos, 1986.
GRABER, T. M. Ortodontia: teoria y prática. 3 ed. México, Interamericana,1974.
PETRELLI, E. Ortodontia para fonoaudiologia. São Paulo. Ed. Lovise, 1994. 165-174 p.
INTERLANDI, S. Bases para a iniciação em ortodontia. São Paulo, USP, 1977.