Saude na Internet    Desde 1998

início > Saúde da mulher > Bronzeamento artificial

Bronzeamento artificial


Riscos do bronzeamento artificial

Se o bronzeamento artificial for realizado com potência exagerada pode causar, em primeira instância, queimaduras que podem variar desde uma simples vermelhidão na pele até a formação de bolhas.

Se o bronzeamento artificial for realizado de maneira contínua e freqüente pode causar envelhecimento e câncer de pele.


Bronzeamento artificial e câncer de pele

Algumas cabines de bronzeamento artificial contém só UVA (Ultravioleta A), outras só UVB (Ultravioleta B) e outras ainda a associação de ambos.

O ultravioleta B é o maior responsável pelo câncer de pele.


Contra-indicações

As principais contra-indicações são:
- gravidez,
- amamentação,
- uso de pílulas anticoncepcionais e,
- uso de substâncias foto sensíveis (ex. tetraciclina).


Escolhendo um lugar seguro

Orienta-se que a escolha do local deva de preferência ter cabines com boa manutenção técnica, especialmente para supervisionar a potencia das luzes assim como sua troca quando necessária.

O ideal é que haja sempre um dermatologista supervisionando, pois algumas doenças de pele podem ser contra indicação absoluta à exposição ultravioleta como por ex. lupus eritematoso, e câncer de pele.


Tipos de câmaras

As câmaras podem ser ultravioleta A, B ou mistas. Podem também ser horizontais ou verticais.


Qual a câmara mais recomendável

Na realidade recomendamos o ultravioleta apenas para fim terapêutico.

No tratamento da psoríase e vitiligo, por exemplo, pode ser utilizado ultravioleta A e B para psoríase e apenas ultravioleta B para vitiligo.

Eventualmente para preparar a pele para uma exposição ao sol pode-se recomendar algumas exposições à ultravioleta A.


Utilização do filtro solar durante a exposição

Normalmente recomenda-se que a pessoa esteja sem nenhum produto sobre a pele no momento do bronzeamento artificial.

Entretanto, áreas sensíveis devem ser protegidas com filtro solar durante a exposição ao ultravioleta.


Tempo máximo de exposição diária

O tempo é individual para cada caso e para cada indivíduo.


Riscos de super-exposição

O risco imediato é a queimadura e o risco tardio é o foto envelhecimento e o câncer de pele.


Sol logo após o bronzeamento artificial

O ideal e não expor-se ao sol em seguida a uma sessão de bronzeamento artificial, especialmente se a pessoa estiver utilizando substâncias estimuladoras do bronzeamento como betacaroteno e psoralênicos com grande risco de queimadura solar.


Bronzeamento artificial x solar

Se o bronzeamento artificial estiver sendo feito com ultravioleta B, é o raio que se encontrada em maior quantidade no horário de pico do sol.

Das duas formas há riscos, tanto de queimadura como de câncer de pele, porém teoricamente pode-se dizer que a cabine é mais segura pois é possível controlar-se artificialmente a potência e o tempo de exposição.


Bronzeamento artificial no rosto e seios

Teoricamente qualquer local pode receber os raios ultravioletas desde que a potência seja própria para cada área.


Danos irreversíveis na pele

Se for mal feito, pode causar danos irreversíveis na pele, podendo causar desde cicatrizes até manchas e câncer de pele.


Bronzeamento artificial e manchas na pele

Pode causar manchas na pele, sim.

Especialmente nas pessoas mais susceptíveis ou que estejam fazendo uso de substâncias fotossensíveis.


Cápsulas ou alimentos que aceleram o processo de bronzeamento são recomendáveis quando se faz bronzeamento artificial?

As cápsulas podem variar desde betacaroteno até psoralênicos devendo se ter o cuidado de calcular a dose correta, tanto da medicação como do ultravioleta para não causar queimadura.

Alimentos contendo betacaroteno como cenoura e beterraba tem menos riscos de queimadura e podem ser auxiliares no bronzeamento.


Cuidados após a sessão de bronzeamento

Como o ultravioleta provoca ressecamento da pele, o ideal é hidratar a pele após a sessão de bronzeamento artificial.


Tempo necessário para um bronzeamento uniforme

Depende do tipo de máquina, do tipo de pele do paciente e do uso ou não de medicamento via oral.
PUBLICIDADE


PUBLICIDADE

Publicado em: 11/08/2001. Última revisão: 01/01/2018
 COLABORADORES 
Dra. Shirlei Schnaider Borelli Dra. Shirlei Schnaider Borelli - Médica Dermatologista. Membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia - SBD e Regional São Paulo, membro da Société Française de Mesothérapie, membro da American Academy of Dermatology - AAD.
todos artigos publicados